Tendências positivas para o setor

Tendências positivas para o setor

Por Marcelo Januário, editor da Revista M&T
Revista M&T - Edição 256 – Agosto 2021

Prévia semestral do estudo Sobratema de mercado mostra alavancagem em demanda e volume melhor que o previsto, com crescimento de 25% das vendas na linha amarela.


Tendo em vista o “sentimento de pânico” que se apoderou do setor de máquinas e equipamentos no ano passado – o fatídico ano zero da pandemia –, 2021 em tudo para entrar para a história como o “ano do recomeço”. Ao menos é o que indicam os resultados preliminares do Estudo Sobratema do Mercado Brasileiro de Equipamentos para Construção, divulgados em webinar realizado no final de julho e que a Revista M&T traz em primeira mão e com exclusividade ao leitor.

Consolidando a visão de construtoras, locadoras, distribuidores e fabricantes, a sondagem com especialistas também agrega dados de fontes como Abimaq (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos), Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), Anfir (Associação Nacional Fabricantes de Implementos Rodoviários), SNIC (Sindicato Nacional da Indústria do Cimento) e Siscori/RFB (Sistema de Estatísticas de Importações e Exportações), dentre outras, para formar uma visão do mercado brasileiro de equipamentos para construção.

RESULTADOS

Na Linha Amarela, o balanço prévio de vendas mostra um crescimento de 25% (24.414 unidades) em relação a 2020. “O mercado está muito mais robusto do que o previsto no final do ano passado, cinco pontos percentuais acima”, afirma Mário Miranda, coordenador do Estudo Sobratema do Mercado Brasileiro de Equipamentos para Construção. “Como temos seis meses de mercado, esse número se mostra muito mais sólido que a previsão feita em novembro, devendo se confirmar no final do ano.”

Ao se precificar o volume, adiciona Miranda, chega-se a um valor de mercado de R$ 14,2 bilhões, considerando os preços médios dos produtos, em um aumento de quase 80% nesta referência em relação a 2020. “Isso se deve ao aumento na demanda, mas também à majoração dos preços dos equipamentos”, observa.

Na previsão por família, os campeões de vendas continuam sendo a tríade formada por Retroescavadeiras (7.166 unidades), Pás Carregadeiras (5.933 unidades) e Escavadeiras (6.510 unidades), que juntas responderam por 80% do mercado no semestre. Na categoria Demais Equipamentos, a comparação com 2020 revela um aumento de 29%, ou quatro pontos percentuais acima do previsto. Em Caminhões Rodoviários, um dos destaques da categoria, a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) projeta um crescimento de 31% na demanda para este ano, comparado com o ano passado. Aqui, a precificação do mercado total mostra um valor em torno de R$ 20,5 bilhões, bem acima dos R$ 11,3 bilhões movimentados em 2020. “No geral, o mercado está bastante positivo em relação ao ano de 2021, mas poderia ser bem mais sólido e com um número maior de máquinas, não fossem os impactos dos atrasos sobre a disponibilidade”, entende Miranda. Quanto aos importados, o mercado da Linha Amarela registrou 25% de participação, exatamente um quarto. “Houve um crescimento de participação de equipamentos importados em seis pontos percentuais, mas em 2020 o mercado havia retraído em oito pontos percentuais nesse índice”, pondera o executivo da Sobratema.

Segundo ele, esse impacto se deve principalmente à desvalorização do real em relação ao dólar, que passou de R$ 3,95 (em 2019) para R$ 5,16 (em 2020). “Com o mercado voltando a crescer, a estimativa para o final do ano é de 9 mil equipamentos importados no Total Geral, ou seis pontos percentuais na comparação com 2020”, projeta. Analisando a evolução de vendas, torna-se nítido o “crescimento sustentável” do mercado, ele sustenta. “O efeito positivo disso é que se consegue planejar melhor, ter um horizonte de investimento, vi­sualizar quantas máquinas comprar, investir em pessoas, treinamentos, serviços etc.”, delineia.

Com os números ajustados, res­ta esperar que as previsões do 14º Estudo de Mercado se concretizem como o previsto – ou até superem – em sua próxima edição, a ser divulgada pela Sobratema em novembro. “Em 2021, o mercado brasileiro chegará a quase 30 mil máquinas, o que representa o teto do ‘crescimento chinês’ que tivemos em 2013, quando o setor registrou 10% acima disso. Isso é desenvolvimento sustentável, é o que essa indústria busca”, celebra Miranda.

VISÕES

Na comparação com o mesmo período de 2020, o 1º semestre também trouxe uma visão bastante positiva sobre a demanda. “Cerca de 80% das empresas ouvidas responderam que a demanda real no 1º semestre está sendo ‘igual ou maior’ que em 2020, sendo que para 37% está ‘maior’”, informa Miranda. “Comparando-se com a resposta de 60% apurada em novembro, são 20 pontos percentuais de melhora nas expectativas.” Em volume de negócios, a comparação com o mesmo período em 2020 mostra que o 1º semestre está “igual ou muito melhor” para 87% dos participantes, relevando acentuado otimismo entre as construtoras e locadoras consultadas. De fato, o ano está “pior” para 10% da amostra, sendo que apenas 3% dizem estar “muito piores” que em 2020. No volume real de negócios, comparado com a previsão para o ano, 50% das empresas responderam que está “mais ou menos” como o esperado, 23% que está “melhor” que o esperado e 7% que está “muito melhor”, o que soma 33 pontos percentuais acima de 2020. “Vê-se que, no 1º semestre, houve uma alavancagem muito boa em temos de demanda e volume, que estão melhores que o previsto”, resume Miranda.